Contos

Apaixonado por um Traficante – 2° Temporada – Capítulo 8

Minha mãe não me julgava, na verdade, não me falava absolutamente nada. Os minutos que iam passando e a minha angustia de querer contar tudo a ela era bem maior do que eu próprio pensava, mas esse sentimento se empatava quando comparado com a minha vontade de sair correndo dali.+

Eu olhava em desespero para minha irmã e ela balançava a cabeça querendo dizer que ainda não era a hora. Com os olhos arregalados e a sua expressão nada boa me olhando, os braços cruzados enquanto minha mãe fazia um chá para logo se sentar em minha frente e ouvir tudo o que eu devia falar.

A Suelem me julgava silenciosamente, eu via o quão grade era a sua vontade de me deter.

Essa tensão perpetuou até que lá na sala o celular da minha mãe toca, e a mesma apressada pede para eu esperar um pouco e foi rápido atender. A minha irmã na mesma hora quase sobe em cima da mesa e me encarando começa:

– você ficou louco?

– não Suelem eu acho que já esta mais do que na hora….

– não esta, não, Guilherme, se ela desconfiar que você tá de caso e fez “coisas” com o Júnior é capaz dela morrer, você não vai contar nada!

– Su, eu vou sim já esta decidido, eu preciso fazer isso,não aguento mais.

– não, Guilherme, pelo amor de deus!,cara, cai na real, imagina ela sabendo que o filho dela é… gay!, e esse nem é o ponto em questão, talvez ela aceita, a porra do problema é ela ficar sabendo que filho esta com o Júnior!, mano, te acalma, deixa rolar mais um pouco cara,se ela já esta assim toda desconfiada com você, alguma hora vai ser inevitável, mas por enquanto deixa quieto…

– tu acha? – as palavras de minha Irmã estavam entrando átona em minha mente, parecia que isso não ia ter fim.

Mas outro lado de minha consciência estava dizendo que eu tinha que contar, por mais que acontecesse merda.

Júnior…

O quão caro tive que pagar,por me entregar ao prazer que você é, meu moreno…

Estou pagando com a minha sanidade…

Vou acabar louco assim…

Depois que minha mãe voltou da sala comecei a distorcer tudo, dissimular o que eu tinha falado, dizendo que eu ia na casa dele,e jogava com ele e que Junior era legal. Não sei se ela engoliu tudo aquilo, pareceu não mesmo dar importancia, apenas me olhou brava disse que não queria eu perto dele, que mesmo ele sendo legal e tendo emprestado vários jogos para mim não era motivo para eu estar andando com um traficante….

E logo se levantou da mesa e saiu para seu quarto.

– o que te deu para querer contar? – perguntou Suelem assim que todos foram se deitar.

– tô desesperado Su, sabe o Felipe, o garoto que a gente conheceu naquela festa?

– sei…

– é… tô tendo um rolo com ele!

– ah sério -disse irônica- sim sei que tu ta ficando com esse menino da praia,mas eai?

– bem… ele fez uma coisa bem estúpida, mas nem posso reclamar ele não sabia no que tava se metendo, enfim, o que ele fez foi atender meu telefone e disser ao idiota do Júnior que somos namorados…

Suelem encolhe as pernas em cima da cadeira,e fica pensativa.

– como assim Guilherme? esse guri é sem noção por acaso? e agora?1

– e agora que eu to desesperado né? Júnior ficou puto com isso, começou a falar um monte de merda, disse que vai matar ele e disse que já sabe aonde eu to.

 

– mas esse guri parece uma criança gui,porra gui, não tem noção das coisas, mas tenha te acalmar,mano, assim tu vai ter um ataque…

– como calmo su? eu nem sei o que o Junior vai fazer com o Felipe, imagina só…

Depois que desabafei com suelem. Ela foi se deitar e me aconcelhou a tentar dormir um pouco. Mas, não dava, nao tinha condições, fiquei zanzando pela casa de um lado para o outro. O Felipe ainda me ligou muitas vezes, assim como o próprio Junior, mas simplesmente ignorei.

Cara eu tava com tanto medo do que vinha pela frente, e a pior parte é nem imaginava o que o poderia acontecer. Na minha mente vinha Júnior pegando Felipe pela goela e dando um monte de soco nele, esmagando a cara dele até a morte.

Entretanto um sentimento muito estranho tambem crescia em meu peito.

Orgulho… talvez?…

Saber que o traficante moreno estava atrás de mim, que gastava o tempo dele por mim e não comendo uma vadia qualquer. (Quero acreditar que não, pelo menos).

E tinha uma vontade de querer ver ele também, mas simultaneamente querer fugir dele. Aquele negão, definitivamente, era o meu hades…

Tava com uma falta dele.
Eu estava até me convencendo de que ele não teve culpa de nada, com relação a Samatha “molhadinha”, (ai que nojo dessa vaca). Quantas mulheres corriam atrás dele? Quantas ja não se jogaram encima dele?2

Imaginava que Júnior não gostava disso, era ilusão. Mas e se ele tivesse fissurado em mim mesmo? Eu devia ter dado o benefício da dúvida?

Ou não?

Acho, talvez, que ele só não goste de perder. Eu ter dado o fora e não ele. Se é isso o que ele faria com o que ouviu pelo telefone, que já estou com outro e troquei ele assim de uma hora para a outra?

Após de algumas horas, e varios questionamentos, a fome veio me assolar. Fui ate a cozinha e fiz um sanduíche para mim, e nesse meio tempo meu celular vibra com louco em cima da mesa, mas não dou atenção.

Volto para sala, me sento e voi ver um filme, para quem sabe, não pensar mais nessa situação. Um filme qualquer do Batman passava. E isso me prendeu o olhar, ate que uma hora em que meu celular apita por uma nova mensagem recebida, pego ele e lascivo olho.

Outro devia estar se rasgando em fúria,era notável isso em sua palavras:

” atende esse caralho!” – ele mandou.

” não enche” – mandei de volta.

” para com essa frescurice, que comigo não cola, não seu merda, me conta quem é esse puto, que tá te comendo… ele não faz melhor que eu guilherme, sou teu macho, então, me diz que é esse filho da puta? ”

” não te interessa, se você também pode mandar vara nos outros eu também posso”

” e quem disse que eu mandei, gui? ”

” você próprio”

” Guilherme para com isso meu, agora é sério, atende esse telefone agora e vamos conversar, como homens de verdade”

” não to afim, Júnior me deixa em paz, que é, e vai viver a sua vida, me deixa eu viver a minha “1

” será que tu acha que eu não gosto de você? Guilherme você esta bem enganado, eu tenho sentimentos sabia? E eles me puxam pra ti, cara. E é por isso que eu vou te achar, te tomar de volta e vou arrebentar a cara desse puto aí que quer te roubar de mim, quero ver se ele é homem pra mim encarar”1

” e ele é bem homem sim, e ele tem uma coisa que você não tem”

” e o que é?”

” ele é carinhoso comigo”

” ta bom então! prepara esse carinho todo ai, que vou adorar amaciar o fucinho de cadela dele, não vejo a hora de descer o braço nele…”

” tu não é louco”

” vamos ver então se eu não sou louco”

” Júnior…”

E assim simplesmente parou de responder…

Depois dessa conversa uma angustia dentro de mim que se espalhou.4

No outro dia eu estava apenas atônito. Não conseguir fazer mais do que ficar sentado na praia olhando para o nada.

E enquanto eu via somente as pessoas passando pela areia sem pensar em nada. Alguem me chama, me foco e era o Felipe que me chamava:

Eu vou até ele sem sorriso, tímido, apático:

– oi… – eu digo sério.

– vem dar uma volta comigo? – ele pede.

– é… bem… não vejo problema…3

Avisou minha mãe e saio com ele em direção a praia novamente, vamos para um canto mais deserto.

Felipe tenta pegar a minha mão enquanto estavamos sentados.

– eu quero tanto você, fica comigo, vai? – ele fala em tom de brincadeira, mas com expressão séria.

– eu não posso, eu não te amo, Feli…

– mas eu te amo! -me interrompe- e muito cara, fica comigo…1

– Felipe, eu não cara, não nos conhecemos a tempo de você me amar, tu apenas gosta um pouco de mim, alem disso, sabe eu já tenho uma pessoa, e tu viu o que ela pode fazer, eu te contei.

– eu não tenho medo desse trouxa, e te amo sim, não menospreze meu sentimento.

– tu ta falando isso por que tu não conhece ele… – pego a mão dele e beijo- Felipe, olha para mim, entende uma coisa,não temos futuro, o Júnior é capaz de qualquer coisa para ter o que quer, ele não esta nem ai se vai te machucar ou pior…

– o que você quer dizer com o pior?

Felipe fala aquilo tão de repente que fiquei até sem ação de saber o que falar.

– só pior… – foi o que eu falo vendo ele pegando meu rosto com as duas e dar um beijo bem delicado.

Aquilo era um ato ávido, mas pra mim era uma despedida.

Felipe me beija mais forte, colocando toda a sua língua dentro de mim, fazendo eu me deitar no chão enquanto ele vinha para cima de mim. Desce pelo meu pescoço e sube com a língua pelo meu queixo…2

– transa comigo só mais uma vez, então..

Não falo nada só puxo ele e taco um beijo mais intenso. Felipe retira sua calça, e logo a camisa. Seu pênis de fora e já bem duro cutuca minhas pernas enquanto eu tirava minhas roupas também.

O empurro e vira para cima dele, ele começa a beijar meu torax descendo meu corpo ate chegar na sua virilha. Beijando-a e vendo ele gemer.

Pego o falo gostosinho e ponho na boca. Chupei com vontade, para lhe dar máximo de prazer.

Felipe gemia muito.

Ele então me pega, virando para se minha bunda e aperta, para logo atolar até o fundo. Ali nos entregando ao êxtase, nos movendo sobre a areia. Com fricções e carícias sensuais até que ambos chegam ao ápice. Com ele se desmanchando em mim.

Saio de cima dele e me sento ao seu, suados pelo sol que batia nossos corpos e pela atividade sexual.

– fica comigo cara, é só o que te peço…

Eu olho para ele, com o rostinho tão lindo. Implorando por mim.

Lhe dou um beijo, mas não respondo ao seu pedido.

Logo depois nos levantamos e tomamos banho de mar, ele calado e um pouco distante. E em silêncio nos vestimos e o mesmo me acompanha até em casa:

– eu ainda quero te ver amanha -diz quando estamos frente ao portão.

– te encontro na praia… -respondo receoso.

– ta bom, mas vê se vai mesmo, nem sei se você ainda me quer, mas eu repitir fazer a mesma coisa que fizemos hoje…

Resolvo entrar em casa, e evitar um outra vonversa sobre isso.

Minha irmã residia sentada na sala, envolta com um cobertor.

– gui, vem cá -me chama.

– o que foi? – eu pergunto meio confuso olhando para seu rosto, enquanto ela me puxava para dentro do quarto…

– você deixou seu celular em casa!

-sim, ele tava desligado…

– não tava, não, você não o desligou, e eu fui ver ele e encontrei isso olha aqui, Guilherme!

– o que? -Suelem me entrega o celular e vejo a maldita mensagem.

Remetente: Júnior.

” acabei de chegar na praia onde tu e tua família tão, minha coroa abriu a boca, finalmente, pode me falar aonde tu, agora, cheguei pra ti mostra que você é meu “3

Não sabia como engolir aquilo, e nem como digerir. Meu corpo começou a tremer, e oar faltar…

Olhei para Suelem que estava de mãos juntas me olhando, apavorada!

– e agora? Ele tá aqui, que deus nos proteja…

Tags

Artigos Relacionados

5 thoughts on “Apaixonado por um Traficante – 2° Temporada – Capítulo 8”

  1. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA mortoooooooooo,to mega ansiosooo para ler os próximos capítulos,adorooooo esse conto.Sua escrita,jeito de contar a história,tudo maravilhosooooooo!!!!!!!!!!!! <3 <3 <3
    Que delícia ler e reler os capítulos,estou muito feliz por ter segunda temporada e ela estar sendo atualizada!!! <3 Muuuito obrigado por permitir aos leitores um pouco de felicidade,sonho,enfim sentimentos boons! :* 🙂

  2. Misericórdia, morto aqui de ansiedade, vem logo Júnior mostrar quem manda aqui…..

    Gente melhor conto, eu conto os dias pra ler capítulo novo, está ótimo, parabéns ao escritor

  3. Mal posso esperar pra chegar o captulo nove mas eu quero saber com quem o guilherme vai acabar nesse conto se eh com o junior ou com outra pessoa!!! To amando esse contotah sendo um dos melhores contos q eu jah li aq….❤❤❤

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close